Pouca gente tem noção do que é possível fazer com o couro. E para fugir do senso comum, a grife mineira Patrícia Motta desenvolve, a cada temporada, peças elaboradas e diferenciadas, com uma pegada super atual, em que a principal matéria-prima é ele, o couro. A marca sempre se supera. E, neste inverno, não foi diferente. Para criar a coleção, Patrícia buscou referências no universo da velocidade e do futurismo, o que resultou em peças contemporâneas e comerciais.

“Abrimos o desfile com um macacão inspirado na Fórmula 1. Feito em couro preto, todo fitado de filigrana ouro, a peça traduz nossas referências para a temporada”, explica Patrícia, que também desconstruiu este modelo e usou seus elementos em outras produções. “As abas destes macacões vieram para t-shirts e jaquetas”, diz.

Outra característica da estilista é apostar em cortes a laser, o que confere ainda mais personalidade para suas criações. “Para o inverno desenvolvemos um novo monograma, que é uma espécie de cata-vento, recortado a laser”, aponta. Este monograma aparece em um sofisticado vestido longo e em jaquetas.

Outra técnica apresentada pela estilista é o couro trançado, que forma listras diferenciadas. O detalhe enriquece casacos e saias tipo lápis. Para complementar a coleção, Patrícia investiu em tecidos como seda, organza e no clássico tricô.

A novidade fica por conta dos acessórios, que são desenvolvidos em parceria com o designer Jotta Syballena. “Nossa linha de acessórios têm crescido. E para este inverno apostamos em scarpins com bico iate e clutches em formato geométrico”, finaliza.

A coleção foi dominada pelo preto, branco e azul. Dourado e prata complementam a cartela de cores e trazem o toque futurístico que o inverno pede. Destaque para a jaqueta P&B, com shape esportivo, e para a blusa com ombro arredondado – tendência nesta estação –, desenvolvida em python.

 

[nggallery id=84 template=galleryview images=0]

Veja como foi a beleza do desfile da Patrícia Motta!

Deixe uma Resposta

Mais sobre 'Moda / SPFW'