Já contamos que estamos na ansiedade para o começo da nossa semana de moda favorita, né? Esta edição do Minas Trend promete! E para alimentar ainda mais a expectativa para esta temporada, que tal dar uma espiada em algumas novidades, exatamente por onde nasce uma coleção?

Nós amamos croquis e cada desenho tem o traço característico de cada estilista, que exprime também o perfil das marcas. É um trabalho manual super delicado e encantador. Veja o que vem por aí:

Confira o line-up dos desfiles!

Madreperola
A marca estreia no line-up da semana de moda mineira e preparou uma coleção leve e clean, digna de uma mulher sofisticada e culta. A equipe de estilo mergulhou no processo de criação de um artista. A origem das inspirações está na tela em branco e sua construção, a trama e o urdume. O resultado é um mix precioso de texturas valorizadas por transparências e sobreposições, aplicadas em shapes alongados e confortáveis. Um toque de geometria em comprimentos variados e um trabalho impecável de alfaiataria também prometem fazer sucesso.

Mabel Magalhães
Glam Appeal é o nome perfeito para a coleção da Mabel Magalhães, que homenageia as musas do cinema das décadas de 50 e 60, época onde a sensualidade era bem mais sofisticada. Nesta essência não poderiam faltar decotes ombro a ombro, pregas, laços, recortes estilo corselets. A modernidade vem com o uso de cores vibrantes e bordados transparentes com acabamento furta-cor. O cetim é um dos tecidos mais utilizados.

Ellizabeth Marques
A botânica oriental é o fio condutor desta coleção, que tem a peônia, flor ornamental que anuncia a chegada da primavera na China, como a estrela principal. Tons das folhagens, borboletas e as pinturas florais são aplicadas com estamparia digital. As formas das pétalas inspiraram a criação dos shapes, que exaltam o contorno do corpo feminino, além do uso da cintura baixa (efeito corselet). Entre os tecidos estão as rendas metalizadas e coloridas, além de tules e jacquards. A coleção promete surpreender!

Fabiana Milazzo
Os costumes asiáticos, mais precisamente os Tibetanos, são o ponto de partida da coleção. Pela primeira vez a estilista mostra peças feitas em couro, que trazem a irreverência de ser aplicado em vestidos de festa, combinado à rendas, bordados e texturas. O handmade foi executado com técnicas de trançados e tapeçaria do Tibete. As vedetes como tule, renda e seda pura complementam a coleção, que ainda traz batas, túnicas, capas e coletes, peças perfeitas para compor produções despojadas.

Fleche D’or
Uma temporada de verão luxuosa no mar Mediterrâneo, em Côte D´Azur, foi a inspiração para o desenvolvimento da coleção. O balneário foi refletido no uso de shapes fluidos e lineares, decotes assimétricos feitos em seda, cetim e jersey. O requinte da Riviera ainda é acrescido pelo uso de rendas e dos tradicionais prints, que fazem parte do DNA da marca. Podemos esperar cores intensas, mistura entre tonalidades, como o azul e coral. Contemporâneo e elegante!

Lucas Magalhães
O estilista mergulha no final dos anos 50 e início dos 60 e se inspira no movimento sociocultural Beatniks para desenvolver sua coleção. A “Geração Beat” é revelada através do shape solto, menos colado ao corpo. Vestidos mini com leve aspecto evasê na saia e mangas também marcam presença, enquanto calças cenoura e jaquetas trazem a contemporaneidade e o caráter urbano, essências da marca. A estamparia vem com a construção de texturas e até no mix de franjas.

Vivaz
label resgatou um dos nossos tesouros nacionais para produzir a sua coleção de verão: a jabuticaba, a Pérola Negra Brasileira. Os shapes são limpos e simples e as silhuetas evasê e coluna, com cintura marcada, aparecem em todos os comprimentos. Destaque para as barras ramificadas com nesgas, remetendo às raízes das jabuticabeiras. Fios de linhagem permeiam as peças para representar os galhos e um camuflado de miçangas desenha a textura da casca das árvores. A novidade é o toque do universo masculino, inspirado na obra “O Lavrador de Café” (1939), de Candido Portinari. Esses detalhes poderão ser vistos em camisas, t-shirts, pulls, perfectos, joggings e bombers oversized.

Cosh 
Elegantes e sofisticadas, as festas ao entardecer serviram de inspiração para a coleção da Cosh. A delicadeza dos trabalhos em pedrarias e bordados marcam presença e também fazem um contraponto com os tecidos leves, muitas cores e estampas exclusivas. Hit da temporada, o vestido fluido é a grande aposta da grife para a estação mais vibrante do ano.

Arte Sacra 
O mundo pede leveza. Por isso a Arte Sacra se inspirou na beleza delicada e atemporal dos templos budistas. Bordados suntuosos, estampas exclusivas e cores imponentes fazem um convite à contemplação. Com diferentes aplicações e mix de materiais, que revisitam as décadas de 50 e 70, a marca investe na elaboração de preciosos detalhes para tornar seus looks únicos. O contraponto da paleta aparece nos tons leves de azul fly e aspargo.

Frutacor 
Delicados e exuberantes, as flores e os jardins serviram de inspiração para a coleção de verão da Frutacor. A sofisticação dos elementos naturais se misturam em prints exclusivos com florais e dão vida ao tema. Esses traços, unidos a listras e texturas, resultam em composições inusitadas. Na cartela de cores predominam as tonalidades fortes, como o preto, amarelo, laranja, azul, verde e branco. As aplicações e bordados de flores, peças com recortes e fendas estratégicas, compõem a variedade de modelos das linhas festa, casual e coquetel da label.

O Minas Trend acontece até o dia 10 de abril e o Fashionistando estará por lá. Fique ligado no instagram (@fashionistando) e acompanhe a cobertura em tempo real! #fashionistandonomw

*Os croquis do banner são da linha Twins, da Arte Sacra

2 Respostas para “O que veremos na 16ª edição do Minas Trend!”

Deixe uma Resposta

Mais sobre 'Minas Trend / Moda'