A Fundação Clóvis Salgado apresenta, até o dia 14 de julho, a exposição “Segue-se ver o que quisesse”. Com curadoria do fotógrafo Joerg Bader, diretor do Centre de la Photographie Geneve, na Suíça, a mostra é um registro fotográfico do cotidiano de diversas regiões de Minas Gerais, desde a década de 40.

Ao todo são 470 obras, entre fotografias, cartazes, projeções digitais e áudios, de 39 artistas amadores e profissionais renomados, como Bárbara Schall, Rosângela Rennó, Mabe Bethônico, Cao Guimarães, André Hauck e Rivane Neuenschwander.

As obras estão expostas na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard, nas Galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta, no Palácio das Artes, e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia. As visitas são gratuitas e podem ser feitas de terça a sábado, das 9h30 às 21h; e aos domingos, das 16h às 21h.

SEGUE-SE VER O QUE QUISESSE
Data: até 14 de julho de 2012
Local: Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard, Galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta (Palácio das Artes -Avenida Afonso Pena, 1537 – Centro – Belo Horizonte – MG) e Centro de Arte Contemporânea e Fotografia (Avenida Afonso Pena, 737 – Centro – Belo Horizonte – MG)
Mais informações: (31) 3236-7400

 

Uma Resposta para ““Segue-se ver o que quisesse””

  1. Olá!
    Meu nome é Carolina, sou filha de um dos alfaiates da exposição e ficamos maravilhados com a qualidade dos trabalhos apresentados. Meu pai é o Sr. Moacir e ele gostaria muito de ficar com a sua foto de recordação. Foi muito importante para ele participar deste evento, por isso quer eternizar esta imagem junto a sua família. Por favor, quando possível me retorne, estamos aguardando ansiosos. Obrigada.

Deixe uma Resposta

Mais sobre 'Cultura / Radar'