Ao longo do período em que esteve com a Dag, Bruno fez muitas amizades, que incluía um excelente grupo de clientes fiéis, muitas delas modelos, que foram indicando o seu trabalho. “Na verdade eu nunca quis ter salão, isso foi uma coisa que aconteceu na minha vida pelas demandas do meu trabalho com moda”, ele confessa. Esse período durou quatro anos e foi mais um passo, onde conquistou novos clientes que o acompanham até hoje.

Em seguida veio a oportunidade de abrir o Trends, onde também ficou por três anos. O próprio Bruno conta que se assusta quando olha pra trás e percebe que a cada três anos uma mudança intensa acontece. “Vivi experiências fundamentais. Até os tombos que levei me fizeram crescer”, ele acrescenta. Neste empreendimento, a sua intenção era oferecer o que ele consegue fazer hoje: um salão que tenha um conceito de moda, mas que atenda um volume maior de pessoas, focado em um público que tenha um olhar diferenciado e exigente de beleza.

Infelizmente o Trends não superou as expectativas de Bruno, que precisou se readaptar: morava na Savassi e se mudou para o Centro, em um apartamento emprestado. “Foi a hora de recomeçar com minha mãe e minhas duas irmãs, que sempre estiveram comigo. Ralamos duro”. E foi nesse apartamento que Bruno se reergueu.

Apesar das frequentes mudanças e obstáculos, a moda sempre foi o seu alvo. “O mercado de fashion sempre me requisitou, apesar da época de salão. Nunca deixei de atender meus clientes de moda. Apesar do ocorrido no período do Trends, me refiz e comecei a atender na minha casa”. Esse período durou dois anos, mas a etapa seguinte seria mais que um passo, significou um salto. Aí surgiu a Casa Bruno Cândido. “Foi uma mudança e tanto, muita gente me chamou de louco”, ele conta em meio a risos.

Aí Bruno nos confessou que até ele se surpreendeu com a novidade e disse que toda a responsabilidade pelo reboliço neste período da sua vida é de Deus. O maquiador falou que sempre teve o hábito de ir fazer orações no alto do Mangabeiras e que pedia a Deus uma casa nessa região, porque o apartamento da amiga (onde estava morando) já não comportava o fluxo de clientes, sem falar da vista do bairro, que o encantava. Foi aí que, como por um milagre, surgiu a oportunidade de “subir” do centro. Após tanta dificuldade, Bruno descreve que estar ali, com a ajuda da sua família, coordenando a empresa e a vendo crescer, é um refrigério.

E mesmo antes de estar no Mangabeiras, o foco dele permaneceu no make, mas o cabelo acabou entrando no pacote. Era comum ocorrerem situações e imprevistos em que era necessária sua intervenção, por isso Bruno nos disse que foi preciso estudar cabelo, cor e corte. “Comecei de forma intuitiva, mas existem técnicas e elas são fundamentais para conquistar um bom resultado”, ele garante. É uma prova de que o profissional intuitivo não cresce e permanece se não buscar se aprofundar! Sincero, ele afirma que não se considera um colorista: “tenho esses profissionais trabalhando aqui comigo, para garantir um serviço 100% bem feito – cada um tem sua especialidade”.

Apesar de tantas mudanças, Bruno afirma que sua melhor temporada foi em 2009 e que apenas hoje se considera um profissional de moda. “Tive que aprender a trabalhar com tudo, analisando o conjunto, apesar de me aprofundar em algo mais específico! Imagem de moda pede harmonia. Eu não preciso saber fazer a coloração, mas preciso compreender se aquela cor foi bem feita e se foi o tom ideal para a cliente”, ele explica.

Desfiles grandes estão chegando agora no currículo de Bruno, que almeja com todas as forças esta nova fase. Bruno confessa que ainda é “new face” na parte das passarelas. Ele, que sempre fez desfiles menores, para marcas independentes, agora sonha grande, com as semanas de moda. Recentemente Bruno recebeu uma ligação que fez o coração bater forte, era um convite para fazer a edição da Vogue Minas Trend, sob o olhar atento do famoso Diretor de Moda da revista, Giovanni Frasson. É óbvio que ele não deixou a chance passar e fez bonito. O beauty artist disse que esta foi a sua experiência profissional mais marcante. Também, pudera, hein?

Atualmente, Bruno aperta sua agenda entre clientes frequentes, cursos, trabalhos publicitários e as noivas, que contam até com espaço especial na casa. Ele revelou que este segmento também surgiu de forma inesperada, com a cobrança das amigas e clientes, que a medida que iam se casar, queriam que ele as arrumasse. E hoje é um sucesso da Casa Bruno Cândido, que ainda conta com uma equipe mega competente para oferecer o melhor a quem os procura.

Enquanto admiramos o seu portfólio recheado de trabalhos incríveis, esperamos ansiosamente para ver o nome deste top profissional assinando grandes desfiles. Ele merece! Ah! Em breve Bruno prometeu mais novidades. Deve ser para manter a tradição de mudar de três em três anos, né?

2 Respostas para “A história de Bruno Cândido #2”

Deixe uma Resposta

Mais sobre 'Entrevistas / Radar'